Midiateca PUC – Rio

Rio de Janeiro - RJ

Projeto

2006

Obra

-

Arquitetura

Angelo Bucci

Ciro Miguel
João Paulo M. de Faria
Juliana Braga

ESTRUTURA
Kurkdjian & Fruchtengarten Engenheiros Associados
[Jorge Zaven Kurkdjian,
Jairo Fruchtengarten]

INSTALAÇÕES
PHE – Engenharia de Projetos Hidráulicos e Elétricos [Wang Mou Suong, Ulisses Tavano]

AR CONDICIONADO
Thermoplan Engenharia Térmica [Carlos Massaru Kayano]

PAISAGISMO
CAP RIO - Consultoria Ambiental Paisagística
[Fernando Chacel,
Sidney Linhares]

ILUMINAÇÃO
Ricardo Heder

ACÚSTICA
Acústica e Sônica
[José A. Nepomuceno]

CONFORTO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA
LABAUT FAUUSP
[Joana Carla Gonçalves, Denise Helena Silva Duarte]

LÓGICA
Marciano Engenharia
[Marcelo Marciano]

PRÉ-ORÇAMENTO
Alberto Costa Engenharia
[Alberto Costa Sousa Neto]

MODELO FÍSICO
Triviño

MODELO DIGITAL
Visualize

FOTOS
Nelson Kon

A proposta que apresentamos para a Nova Biblioteca da PUC Rio considera as duas cotas de nível que caracterizam a área destinada à sua implantação. Elas são definidas pela rua dos Diretórios e sua extensão para os estacionamentos — esta cota está anotada, no projeto, como nível 0,00 — e pelo pilotis do edifício Amizade — anotado como nível 4,00 m. A possibilidade que este duplo térreo oferece se coaduna muito bem com a natureza bi-partida do programa proposto para a biblioteca, a saber:

- acervo, ou armazém, e administração;
- áreas de público, ou o edifício.

ACERVO E ADMINISTRAÇÃO
Estas funções foram dispostas junto à rua dos Diretórios, num piso elevado de 50 cm acima do nível natural do terreno naquela área. Ali elas têm adequada independência de acesso para o uso rotineiro de quem trabalha na biblioteca e também grande facilidade para as funções eventuais de carga e descarga para aquisição, manutenção ou transporte de livros.

O acervo ocupa um retângulo de 1.216 m² no núcleo desta área.

As funções administrativas giram em torno deste núcleo fechado com vidro e, desta maneira, o conjunto destas salas formam uma antecâmara que distanciam o acervo das fachadas externas, colaborando assim para o rigoroso controle de temperatura e umidade que é necessário na área de guarda dos livros. Por outro lado, as funções administrativas periféricas se mantêm sempre próximas à luz natural desejável e necessária às áreas de trabalho.

A planta deste conjunto é feito pelo retângulo regular do acervo e pelo polígono irregular das áreas administrativas circundantes. Essa irregularidade oferece liberdade ao desenho, que preserva a arborização existente e acomoda sem dificuldades as especificidades, e eventuais alterações, do programa administrativo. Além disso, esta disposição torna simples a futura ampliação da capacidade do acervo através da adição de um novo depósito, térreo ou verticalizado, associado ao primeiro.

Nestas condições, o sistema construtivo projetado para o conjunto Acervo e Administração prevê uso de estrutura de concreto armado, com lajes maciças, sem vigas, intercolúnio de 7,50 m e algumas seções de paredes de concreto no perímetro externo para contraventamento horizontal.

Por fim, nesta configuração, o conjunto Acervo e Administração constitui um embasamento para a implantação da área de público da nova biblioteca. O teto do acervo é coincidente com o nível do “pilotis” do Edifício Amizade e faz uma extensão daquele nível para ser, ali, a Praça da Biblioteca.

ÁREAS DE PÚBLICO, OU O EDIFÍCIO.
A Praça da Biblioteca é a extensão, em nível, do “pilotis” do edifício Amizade por sobre a laje de cobertura do embasamento feito pelo conjunto Acervo e Administração. Ela também concilia os dois térreos existentes naquele trecho, pois se liga diretamente tanto com a rua dos Diretórios como com os estacionamentos através de escadas e rampas.

O desenho proposto procura fazer convergir para esta Praça os diversos fluxos de pessoas existentes nesse trecho do campus — rua dos Diretórios, pilotis do Amizade, estacionamento, refeitório e outros —, e dali, estrategicamente, se faz o acesso de público à Biblioteca.

O Acolhimento — área interna de 830 m² + 300 m² do terraço — é feito num primeiro nível acessível por rampa e disposto a 1,50 m acima do piso da Praça, cota 5,50 m. Ali está a recepção e o controle de acesso. Ainda fora da área controlada, as áreas de estudo em grupo. Já dentro da área controlada, há um terraço externo, que se oferece à leitura de periódicos ou como um estar descontraído e o setor de circulação, onde está o balcão dos livros solicitados do acervo. Arquitetonicamente, a área de Acolhimento desempenha um papel de transição, isto é, com seu pé direito restrito ela aclimata e prepara o leitor para o ingresso, através de rampa, no Salão Principal com nove metros de altura.

O Salão Principal — 1.300 m² — com 15 m de largura, 90 m de comprimento e 9 m de altura é o grande espaço da biblioteca. Por toda a sua extensão, espalham-se as áreas de leitura e o acervo de livre acesso. As grandes aberturas nos extremos, com orientações norte e sul devidamente protegidas da radiação direta do sol, iluminam com luz natural suficientemente a uma profundidade de cerca de 15 m. O vazio central, da varanda, funciona como uma lanterna de luz natural no trecho central do grande salão. Além disso, justo nos dois trechos intermediários entre a lanterna e as fachadas iluminantes norte e sul, os dois pisos transparentes do andar superior trazem a luz natural dos dois sheds da cobertura. Desta maneira, o Salão Principal tem luz natural adequada e, ao mesmo tempo, evita as desvantagens climáticas das aberturas leste e oeste. O Salão Principal conta ainda com o apoio de duas outras áreas: a Varanda — 225 m² — e o Mezanino — 225 m² —. A Varanda de Leitura, espaço externo e coberto, oferece uma área alternativa aos usuários com vistas para jóias arquitetônicas, como o Solar do Grandjean de Montigny ou edifício Marques de São Vicente de Afonso Eduardo Reidy, ou paisagísticas, como o Corcovado, os Dois Irmãos e a Pedra da Gávea.

A Área de Estudo Concentrado — 1330 m² — foi desenhada para abrigar as funções de trabalho dos usuários da biblioteca, oferece maior concentração e espaços com mais especificidades. Está aí, devidamente independente, a Cátedra UNESCO / PUC Rio de Leitura. Também, um pequeno auditório, sala de pesquisa, leitura individual, e uma área sugerida para exibições temporárias temáticas ou de coleções do acervo da biblioteca (como o acervo pessoal Lauro Cavalcanti e outros, ou títulos ligados a temas de exposições).

Acolhimento, Salão Principal e Área de Estudo Concentrado fazem as áreas de público da biblioteca de um modo rico porque oferecem diversas ambiências para abrigar as múltiplas atividades que um programa desta natureza deve contemplar.

Enfim, por uma opção arquitetônica, são as áreas públicas da biblioteca que configuram o Edifício.

O EDIFÍCIO
Este Edifício pousa sobre o embasamento em apenas quatro pontos de apoio.

A estrutura que o realiza foi estudada em concreto armado e aço. Diante dos resultados destes estudos considerando preços, técnicas construtivas, controle de obra e outros aspectos, julgamos que, neste caso, a opção pelo aço oferecia importantes vantagens.

A treliça em aço desenhada usa a altura do edifício para realizar os vãos necessários, servindo-se antes da geometria do que da massa de material empregado nas peças estruturais. Daí, o vão de 45 m e balanços de 15 m e 30 m, não impõem dificuldade. O par de treliças dispostas na direção norte - sul definem as duas grandes fachadas longitudinais leste e oeste. Cada par de pilares está solidarizado entre si por uma viga transversa, portanto os quatro pilares formam dois pórticos que estabilizam as treliças transversalmente.

A estanqueidade das duas fachadas longitudinais é garantida pela aplicação de chapa de aço de espessura suficiente para permitir solda corrida e vedação perfeita. Esta chapa, além de proteção às intempéries também funciona como sombreamento para o fechamento interno. Portanto as paredes de fechamento das fachadas leste e oeste são compostas por uma sequência de elementos construtivos: chapa de aço para estanqueidade e sombreamento, camada de ar ventilado, isolamento térmico, duto técnico para ar condicionado e instalações e painel de madeira interno. Cada um destes elementos tem uma função específica. A grande vantagem desta opção construtiva é que ela nos permite graduar o desempenho termo-acústico conforme o resultado de ensaios de modelagem do edifício através de ferramentas computacionais avançadas, CFD — como TAS, Radiance e outros —. Ou seja, a partir do resultado destes ensaios é possível equalizar a parede através da adição, ou correção, de cada um dos seus componentes garantindo o seu desempenho ambiental de acordo com as normas nacionais e internacionais.

Os pisos serão armados sobre vigas transversais, espaçadas de 2,50 m, em pré-lajes metálicas com capa de concreto armado. Todos os pisos da biblioteca terão canaletas transversais de elétrica e lógica para oferecer versatilidade de arranjos de disposições de mobiliário.

Os desenhos que seguem descrevem os múltiplos aspectos deste projeto de modo mais claro e objetivo do que este texto poderia fazer.

Por fim, valeria a pena destacar tão somente que o projeto que apresentamos para a Nova Biblioteca da PUC Rio quer, mais do que atender plenamente as suas exigências programáticas, mais do que desfrutar das possibilidades técnicas que a construção civil no Brasil dispõe atualmente, ele quer, mais que tudo, corresponder à importância simbólica e cultural que uma realização desta natureza pode fazer através do seu projeto de arquitetura.


PUBLICAÇÕES:
Periódicos

SPBR ARQUITETOS – BIBLIOTECA DE LA UNIVERSIDAD CATÓLICA, RIO DE JANEIRO
av / espanha n 15 / 2006

ANGELO BUCCI VENCE O CONCURSO DA PUC/RJ
projeto design / brasil n 318 / 2006

SPBR VENCE O CONCURSO FECHADO PARA BIBLIOTECA DA PUC/RJ
projeto design / brasil n 318 / 2006

SPBR VENCE CONCURSO FECHADO PARA BIBLIOTECA DA PUC/RJ
au / brasil n 149 / 2006

PUC RIO GANHARÁ UMA NOVA BIBLIOTECA
viver cidades / brasil n 18 / 2006

LEYENDO (SOBRE) EL PAISAJE DE RIO
arquine / méxico n 37 / 2006

ESPECIAL 30 ANOS
projeto design / brasil n 324 / 2007

RECURSOS PASSIVOS
au / brasil n 324 / 2007

BRASIL NA DIANTEIRA
arquitetura&construção / brasil / novembro de 2008

LOW-ENERGY UNIVERSITY MEDIATHEQUE RIO DE JANEIRO, BRAZIL
regional competition winners latin américa 2008 / méxico n 23/24 / 2008

TRADICIÓN PAULISTA
gatopardo / méxico n 88 / 2008

SPBR ARQUITETOS / MEDIATHEQUE PUC-RIO
ga document / japão n 108 / 2009

MIDIATECA PUC-RIO
caderno boas práticas em arquitetura / brasil / 2009

UMA NOVA MANEIRA DE PROJETAR E MODELAR
finestra / brasil n 57 / 2009

LA BIENNALE DI VENEZIA – 12. MOSTRA INTERNAZIONALE DE ARCHITETTURA
catálogo exposição / brasil / 2010

MIDIATECA PUC-RIO
aa arquiteturas de autor / brasil n 54 / 2010

ARQUITETOS DO FUTURO: DIRETÓRIO – 25 JOVENS ARQUITETOS
au / brasil n 197 / 2010

ARQUITETURA EM DEBATE: REFERÊNCIA DA NOVA GERAÇÃO
área / brasil n 05 / 2010

MIDIATECA PUC/RJ
monolito / brasil / janeiro de 2011

HOMENAGEM DA USIMINAS E DA COSIPA DURANTE A SÉTIMA BIA
folheto aço sistemas e usiminas / brasil

MIDIATECA PUC-RIO
folheto midiateca puc-rio / brasil

SUSTAINABLE CONSTRUCTION 2008/2009 LGHTHOUSE FOR THE KNOWLEDGE SOCIETY
catálogo second holcim / brasil / 2009

Livros

MIDIATECA DA PUC-RIO
otavio leonídio, luiz fernando martha
ed romano guerra / rio de janeiro / 2007

LIVRO PUC-RIO 70 ANOS – O CAMPUS DA PUC RIO
margarida de souza neves, silvia ilg byington, clóvis gorgônio, antônio josé albuquerque (org)
núcleo de memória da puc-rio / rio de janeiro / 2010