Centro Cultural em São Lourenço da Serra

São Lourenço da Serra - SP

Projeto

2003

Obra

-

Arquitetura

Angelo Bucci

Ciro Miguel
João Sodré
Jonathan Davies
Juliana Braga
Maria Isabel Imbronito
Omar Dalank

ESTRUTURA
Walter Braga
Antranig Muradian

O edifício proposto para abrigar o Centro Cultural de São Lourenço da Serra faz da área de sua implantação uma praça pública aberta à população independente das regras e horários inerentes ao funcionamento dos equipamentos.

O TERRENO
O terreno para a implantação do edifício soma uma área de 6.887,99 m², com 129,10 m de frente para a rua Ivone Pires Guimarães. A situação atual da área, originalmente marcada por um acentuado aclive, é conformada por um grande talude que alcança 15 m de altura na sua parte mais alta; este talude foi resultado de um antigo corte com grande bota-fora de terra, isso constituiu um porção de terreno com área de 4.292,18 m² que está praticamente em nível com a rua. É nesta esplanada (cota 0.00 m – equivalente à cota 100.20 m do levantamento topográfico) que se implantou a edificação, sobre pilotis de modo a liberar o térreo como praça pública.

A PRAÇA
A Praça do Centro Cultural, cota 0.00 m, é acolhimento principal. Nela estão localizados o Café e um espaço para exposições eventuais externas. Também o acesso ao auditório, em nível pelo palco, o acesso à biblioteca, por uma escada retrátil, e também o acesso às oficinas, através das rampas que levam à sua cota rebaixada a meio nível.

O Projeto Paisagístico é fundamental para a ambientação dos espaços do centro cultural. Os dois espelhos d´água propostos no projeto de arquitetura também compõem o paisagismo, mas têm também função importante para a solução da drenagem das águas pluviais da cobertura.

O EDIFÍCIO DA BIBLIOTECA
A biblioteca foi disposta toda no nível + 2.55 m, soma uma área de 1.082,00 m².

A laje de piso que a abriga é bem definida na face oeste, frente para a rua, e tem 85 m de extensão de uma fachada cega feita com painéis de aço que protegem os ambientes do sol poente e ao longo da qual está disposto todo o acervo de livros que pode guardar confortavelmente até 15.000 títulos.

Na face leste esta laje se desfaz em recortes que definem cada um dos ambientes: recepção, biblioteca infantil, grupos, leitura, terraços e acervos; todos francamente transparentes. Esta face desfeita faz do talude existente a parede que encerra os espaços internos do edifício.

O Auditório é extensão diretamente ligada ao espaço interno da biblioteca. O plano inclinado da plateia, com área de 220 m² e 320 lugares, faz a passagem do nível + 2.55 m da biblioteca até o nível 0.00 do palco que está no mesmo nível da praça e café.

Na face leste, esta laje se desfaz em recortes que definem cada um dos ambientes: recepção, biblioteca infantil, grupos, leitura, terraços e acervos; todos francamente transparentes. Esta face desfeita faz do talude existente a parede que encerra os espaços internos do edifício.

O Auditório é extensão diretamente ligada ao espaço interno da biblioteca. O plano inclinado da plateia, com área de 220 m² e 320 lugares, faz a passagem do nível + 2.55 m da biblioteca até o nível 0.00 m do palco, que está no mesmo nível da praça e café.

O ANEXO DAS OFICINAS
A necessidade de ampliação das oficinas culturais foi contemplada num edifício de cerca de 400 m² que tem total autonomia de funcionamento e construtiva do corpo principal da edificação. Este Edifício Anexo se coaduna perfeitamente com o núcleo inicial das Oficinas, previsto na Edificação Principal sob a plateia do auditório, integrando-se no nível da praça rebaixada que delimita o espaço destas atividades.